sexta-feira, 22 de outubro de 2010

O MUNDO CORRE PERIGO

Conforme imagens amplamente divulgadas pela imprensa televisiva brasileira (vide vídeo que segue), há fortes indícios de que o Brasil possui, sim, significativo poder bélico de destruição em massa, o que poderia, em uma eventual situação de instabilidade ou de conflito internacional, comprometer seriamente a paz mundial e o bem-estar da humanidade.

Uma arma de destruição em massa, ou arma de destruição maciça (ADM), é aquela capaz de causar um número elevado de mortos numa única utilização. Esta designação é atribuída a armas nucleares, a armas químicas e a armas biológicas, bolinhas de papel e rolos de fita crepe - sendo estas duas últimas consideradas as mais nocivas e destrutivas.

Observe, no vídeo abaixo, a utilização do mais letal artefato de destruição em massa de que se tem conhecimento. Atentem para os resultados devastadores que podem redundar do uso desta espécie de arsenal e o seu incrível poder de destruição. As imagens são fortes e podem chocar. O cidadão que você vê no vídeo sendo covardemente alvejado é o sr. Zé Homer Simpson Serra, candidato a candidato derrotado no segundo turno das eleições presidenciais do Brasil - com amplas possibilidades de lograr êxito, segundo pesquisas divulgadas recentemente. As imagens dizem tudo.


Relatos anônimos ainda dão conta de que o uso de tal arsenal é recorrente em - pasmem! - escolas de ensino fundamental de todo o país, durante o horário do recreio. Uma servente de escola, que preferiu não se identificar, afirma que assiste diariamente ao uso indiscriminado e desumano deste tipo de artilharia pesada, e garante que seus efeitos são destruidores. Segundo a servidora, responsável pelos serviços de limpeza e conservação da instituição de ensino, há situações extremas em que os alunos, alcançando o ápice da crueldade humana, utilizam-se das bolinhas de papel, associadas aos rolos de fita crepe, para agredirem-se mutuamente com o máximo do poderio bélico de destruição em massa de que dispõe. "É um verdadeiro massacre!", lamenta.

Um cinegrafista amador conseguiu registrar as tristes cenas que seguem. As imagens seriam de um suposto massacre ocorrido em uma escola pública de São Paulo, em que os alunos, de parte a parte, valeram-se de bolinhas de papel de destruição em massa na ação beligerante. As cenas são surpreendentes e corroboram o testemunho dado acima (as imagens são de pouca qualidade, mas não a ponto de sonegarem a sordidez explícita com que atuam os protagonistas da ação).



Têm-se considerado fortemente, nos círculos decisórios de alto escalão, a necessidade urgente de intervenção das forças de paz da ONU no país, com o inestimável auxílio das forças armadas norte-americanas - que possuem um invejável histórico de lutas antiterroristas e pela paz -, para averiguar e existência de armas de tal natureza e, conseqüentemente, providenciar a imediata destruição das mesmas.

Um comentário:

Sergio disse...

Bela reportagem. devias pensar em prestigiar o mundo, guardando parte do teu egoísmo numa gaveta, em deleitar jornalisticamente leitores cansados da mesmisse midiática.